Adoção de metas e perfil estadista são características esperadas dos governantes

Adoção de metas e perfil estadista são características esperadas dos governantes
<p>Levados pela NSC Comunicação ao centro das discussões nos últimos quatro dias, a gestão da dívida pública, o foco na segurança, a valorização da educação e o investimento em tecnologia e inteligência passam necessariamente pelo perfil do próximo governador e pela forma como ele vai administrar o Estado. É essa postura – e as ações essenciais a ela – que resume o último dos cinco motes do projeto <strong>SC Ainda Melhor</strong> : eficiência na gestão e visão de estadista. </p><p>Doutora em administração de empresas pela Fundação Getulio Vargas e mestre em administração pela Universidade Federal da Bahia, a professora da Udesc/Esag Paula Schommer destaca que a transparência é um dos pontos fundamentais. A ideia é aproveitar melhor as inúmeras ferramentas que existem hoje e aprimorá-las, tanto para o controle do cidadão quanto para o bom uso do próprio gestor em monitorar as situações e os resultados.</p><p>A especialista também ressalta que não é necessária uma “revolução” para melhorar a eficiência na gestão. Ela cita como algumas ações o foco em solução de problemas com clareza sobre os resultados a serem alcançados, articulação com outras forças da sociedade e do próprio governo, melhoria de desempenho, reorganização de recursos já existentes, correções de processos, aprendizagem conforme o andamento do processo e participação do cidadão no desenho dos serviços.</p><p>– Não tem mistério, não é nada que precise de uma tecnologia que nunca ninguém imaginou. Em geral, são coisas viáveis, simples, que alguém se dispõe a fazer, a liderar. Muitas vezes, são coisas que se faziam do jeito antigo e que ninguém questionava – afirma Paula.</p><p>A visão – e a atitude – de estadista entra quando se olha para o futuro a médio e longo prazo de forma geral. Como explica o cientista político e professor da Univali Fernando Fernandez, é parar a busca por resultados exclusivamente imediatos e romper com o modelo de um governo eleito que trabalhe o primeiro mandato pensando na reeleição e o segundo construindo uma aliança para a sucessão.</p><p>– É uma visão de quem governa para todos, e não para seu partido. Que considera os recursos públicos e os trata com respeito. Estadista é alguém que leva em conta essas questões para propor projetos que muitas vezes ele nem estará presente (quando houver resultados), mas que precisam ser iniciados hoje – argumenta o especialista.</p><p>Fernandez reforça ainda a importância do Poder Legislativo em todo o processo. De um lado, com deputados estaduais e federais e senadores alinhados a essa mentalidade menos eleitoral e mais republicana. De outro, com o futuro governante enfrentando os obstáculos, colocando em pauta e indo até o fim em temas polêmicos a partir de uma boa relação e boa articulação com os parlamentares – sem contaminações e jogos de interesses pessoais e políticos.</p> Foto: Foto: Arte DC <h3>Leia mais sobre o Projeto SC Ainda Melhor</h3><p> <strong>Empregar tecnologia para aprimorar serviço público será desafio para o próximo governo</strong> </p><p> <strong>Ensino médio e evasão escolar são os desafios da educação para o próximo governador</strong> </p><p> <strong>As sugestões de entidades de SC para as prioridades do próximo governo na segurança pública</strong> </p><p> <strong>Dívida Pública: Gestão da dívida de R$ 19,9 bilhões é prioridade ao próximo governador</strong> </p><p> <strong>NSC lança “SC Ainda Melhor” para apontar prioridades ao próximo governo</strong> </p><p><br></p><p><br></p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense