Brasil tem queda no número de empregos em março; 43 mil vagas formais foram fechadas

O desemprego aumentou em março.

 

No mês passado, foram fechadas mais de 43 mil vagas de empregos formais, em todo o Brasil. O balanço do Caged, Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, mostra que o mês registrou pouco mais de 1,2 milhão admissões, mas ao mesmo tempo, pouco mais de 1,3 milhão pessoas foram demitidas.

 

Segundo o secretário de Trabalho, Bruno Dalcomo, o saldo se mantém na média, se somados os meses de fevereiro e março, o que ainda não pode ser entendido como crescimento forte, mas como possibilidade de melhora na economia.

 

Segundo o secretário, o resultado negativo de março tem relação direta com o mês de fevereiro, quando foram criadas 170 mil vagas, número considerado acima das expectativas.

 

Dessa forma, os setores que costumam contratar nessa época do ano, anteciparam para fevereiro as admissões e adiaram as demissões para março.

 

As perdas de emprego em março foram mais acentuadas no comércio, com queda de 28 mil vagas; seguido da Agropecuária, que perdeu mais de nove mil; e a construção civil, com sete mil vagas a menos que fevereiro.

 

No setor de serviços, o saldo foi positivo, junto com o setor de Administração Pública.

 

Mesmo com mais demissões que admissões em março, oito estados brasileiros registraram saldo positivo, segundo o Caged: Minas Gerais, Goiás, Bahia, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Roraima e Amapá.

 

Os piores índices, que significam mais demissão que novos contratos, estão nos estados de Alagoas, São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Ceará. Por região, a maior queda foi no Nordeste.

 

Apesar do saldo negativo de março, o acumulado do primeiro trimestre registrou quase 18 mil novas admissões.

 

O saldo também é positivo, se somados os dois primeiros meses do ano: quase 130 mil empregos: quase 15 mil a mais que janeiro e fevereiro do ano passado.

 

Fonte: Rádio EBC