Brasil tinha 4,6 milhões de pessoas desalentadas no 1º trimestre, diz IBGE

<p>O Brasil tinha 4,6 milhões de pessoas desalentadas no primeiro trimestre deste ano, o que equivale a uma taxa de desalento de 4,1% da força de trabalho ampliada. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados nesta quinta-feira, 17, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Tanto o contingente quanto a taxa registraram os recordes da série histórica da Pnad Contínua, iniciada em 2012.</p><p>Segundo o IBGE, 60,6% (2,8 milhões de pessoas) do contingente de desalentados são do Nordeste. Entre as unidades da federação, os maiores contingentes de desalentados estavam na Bahia (805 mil) e Maranhão (430 mil). Mesmo assim, Alagoas tinha a maior taxa de desalento (17,0%), enquanto o Rio de Janeiro e Santa Catarina, a menor (0,8%, ambos).</p><p>Na definição do IBGE, a população desalentada é definida como aquela que estava fora da força de trabalho por uma das seguintes razões: não conseguia trabalho adequado, ou não tinha experiência ou qualificação, ou era considerado muito jovem ou idosa, ou não havia trabalho na localidade em que residia – e que, se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumir a vaga.</p><p>Dessa forma, a população desalentada faz parte da força de trabalho potencial.</p><p><strong>Crescimento de 195%</strong></p><p>Os dados sobre a subutilização da força de trabalho, divulgados na Pnad Contínua mostram que a situação do mercado de trabalho não é favorável, disse Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.</p><p>”Alguns indicadores mostram avanço, outros mostram que o mercado de trabalho continua em situação delicada”, afirmou Azeredo, citando que, nos últimos trimestres, houve queda tanto do número de desocupados quanto do contingente de pessoas ocupadas. “Por isso, é fundamental a divulgação da subutilização”, disse.</p><p>Mais cedo, o IBGE informou que a taxa de subutilização da força de trabalho atingiu seu nível recorde no primeiro trimestre, com 24,7%. São 27,7 milhões de pessoas nessa situação.</p><p>Em quatro anos, do primeiro trimestre de 2014, ano do auge do mercado de trabalho, até o primeiro trimestre deste ano, a população subutilizada cresceu 73%, ou 11,7 milhões de pessoas a mais nesse grupo.</p><p>O destaque foi o crescimento da população desalentada (pessoas que estão aptas a trabalhar, mas desistiram de procurar ocupação por falta de oportunidades ou qualificação), que avançou 194,9% na mesma comparação de quatro anos. Das 11,7 milhões de pessoas que ingressaram na população subutilizada, 3 milhões entraram para a população desalentada – ou seja, o desalento responde por 26,2% do aumento.</p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense