Ex-governador do AM é alvo de operação da Polícia Federal de combate à corrupção

Quarenta e nove mandados estão sendo cumpridos nesta sexta (19), em mais uma fase da operação Maus Caminhos: desta vez, a operação Vertex levou agentes da Polícia Federal a um ex-governador do Amazonas, que exerce, atualmente, o cargo de senador.

 

Por causa disso, a investigação foi desmembrada pelo STF, Supremo Tribunal Federal, depois que a polícia viu indícios de que o ex-governador investigado recebia vantagens indevidas.

 

Como as ações investigadas teriam ocorrido enquanto ele era governador e ele não está mais nesse cargo, o STF determinou a investigação à Justiça Federal, retomada em janeiro deste ano.

 

Entres os 49 mandados,  nove são de prisão temporária, 15 de busca e apreensão, 18 de bloqueios de contas, em mais de R$ 90 milhões e sete mandados de sequestro de bens móveis e imóveis. Todos no Amazonas, Distrito Federal e São Paulo.

 

A Polícia Federal identificou que o ex-governador investigado teria recebido dinheiro vivo ou por meio de negócios de fachada ou superfaturados. Tudo para esconder a entrega de dinheiro recebido em contratos de aluguel e de compra e venda.

 

Ainda segundo a PF, a investigação está diretamente ligada a outras três fases da operação Maus Caminhos.

 

Em uma delas, a operação Custo Político, foi identificada a prática de crimes de corrupção ativa, passiva, lavagem de dinheiro e ligação com organização criminosa, praticados por cinco ex-secretários de estado e servidores públicos.

 

Na operação Estado de Emergência, o ex-governador do Amazonas, José Melo, chegou a ser preso, em dezembro de 2017.

 

O nome da operação Vertex é uma analogia à palavra vértice e significa “o ponto mais alto”.

 

Na prática, significa que a PF chegou ao ponto alto da investigação, que reúne indícios da prática de crimes por parte do então governador, na época em que se criou a organização criminosa, em torno do Instituto Novos Caminhos.

Fonte: Rádio EBC