Fachin abre inquérito contra Ciro Nogueira, Edinho Silva, Joesley e Ricardo Saud

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, abriu inquérito contra o senador Ciro Nogueira, do Partido Progressista; o ex-secretário de comunicação da Presidência da República e atual prefeito de Araraquara, Edinho Silva, também do PT, e os sócios do frigorífico J&F, Joesley Batista e Ricardo Saud.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) afirma ter indícios de que os quatro cometeram os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com a denúncia, o senador Ciro Nogueira teria intermediado o repasse de R$ 43 milhões em vantagens indevidas para a legenda, nos anos de 2014 e 2017.

Em troca, ele deveria apoiar Dilma Rousseff, do PT, na reeleição e no processo de impeachment. A propina teria sido paga pelo frigorífico J&F, a pedido de Edinho Silva.

Quem detalhou o suposto esquema foram os empresários Joesley Batista e Ricardo Saud, por meio de delações premiadas.

Em nota, o senador Ciro Nogueira afirmou que as acusações contra ele são infundadas, absurdas e não se sustentam. E disse confiar que a Justiça vai trazer a verdade à tona.

Edinho Silva declarou que agiu dentro da legalidade e de forma ética. Acrescentou que o PP já fazia parte do governo Dilma e tinha interesse lógico na reeleição da então presidenta.

Os sócios da J&F não se pronunciaram.

Fonte: Rádio EBC