Grupo de 220 imigrantes venezuelanos chega a SC 

Grupo de 220 imigrantes venezuelanos chega a SC 
<p>Depois de um dia de viagem, o grupo de 220 imigrantes venezuelanos chegou a Santa Catarina. Eles saíram às 8h de Boa Vista, capital de Roraima, a bordo de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), pousaram em Curitiba e de lá viajaram de ônibus e caminhões do Exército até Balneário Camboriú. Chegaram na cidade do Litoral Norte por volta das<strong> </strong>21h e foram recepcionados por um jantar na sede da igreja evangélica  Embaixada do Reino de Deus.</p><p>As 56 famílias de refugiados terão o suporte inicial de doações de membros da igreja, que irão bancar aluguéis, roupas, alimentos e itens de higiene e limpeza durante os primeiros três meses no Estado. Além de Balneário Camboriú, onde ficará a maioria das famílias, outros refugiados serão levados a Itajaí, Itapema, Navegantes, Camboriú e Palhoça. Cada família conta com um casal de tutores ligado à igreja, que irão ajudar na busca de emprego, por exemplo. </p><p>Desse maior grupo de imigrantes do país vizinho que já chegou a SC, boa parte são crianças e adolescentes – cerca de 100 pessoas – e metade dos adultos tem curso superior completo. Por se tratarem de refugiados, o governo brasileiro fornece documentos, carteira de trabalho e vacinação.</p><p>Segundo estimativas da ONU, pelo menos 50 mil venezuelanos se fixaram no Brasil até abril deste ano. Eles fogem da situação caótica do país vizinho, que sofre com crise econômica e política, escassez de comida e produtos básicos e superinflação, e tentam melhores condições de vida no Brasil e outros países da América do Sul. </p><p>  <strong>Evangélicos preparam a chegada de refugiados venezuelanos a Santa Catarina</strong> </p><p><br></p><h3>Venezuelanos saem de Roraima</h3><p>Há um esforço do governo federal para levar os imigrantes para outros Estados, já que o fluxo de entrada em Roraima é intenso – estima-se que são cerca de 300 venezuelanos que cruzam a fronteira do Brasil diariamente. Em abril deste ano, <strong>o governo federal pediu que Santa Catarina recebesse 2,5 mil imigrantes venezuelanos</strong> , mas nenhum município aceitou abrigar os refugiados. Agora, a iniciativa partiu da igreja evangélica Embaixada do Reino de Deus. Além disso, a Cáritas, instituição de ajuda humanitária da igreja católica, também deve trazer venezuelanos em breve a Santa Catarina.</p><p>Essa estratégia de interiorização do governo federal, que conta com apoio da Agência da ONU, já levou mais de 2,3 mil venezuelanos migrados para outros Estados. Todos imigrantes que participam do programa são vacinados, submetidos a exame de saúde e regularizados no Brasil – inclusive com CPF e carteira de trabalho.</p><h3><br></h3><h3>Entenda a crise na Venezuela</h3><p>Em 2014, a queda de mais de 50% nos preços do petróleo, que representa a maior parte da renda do país, marcou o início da severa crise econômica na Venezuela, o que aprofundou ainda mais as tensões entre o governo de  Nicolás Maduro e oposição. Em 2017, o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela chegou a assumiu as competências do Parlamento e, apesar de voltar atrás, a manobra gerou uma série de protestos no país que deixou pelo menos 125 mortos. </p><p>Ainda em 2017, a Assembleia Nacional Constituinte (ANC) da Venezuela – composta por aliados de Maduro – decidiu assumir as competências do Parlamento, controlado pela oposição, o que tornou ainda mais tenso o cenário político.</p><p>A tensão política, uma inflação que pode chegar a 1.000.000% neste ano e falta de produtos básicos, como remédios e alimentos, criou fluxo imigratório de venezuelanos em direção a nações vizinhas. No Brasil, a principal porta de entrada é Roraima. </p><p><strong>Leia também</strong></p><p> <strong>Santa Catarina receberá 230 imigrantes venezuelanos nesta quinta-feira</strong> </p><p>  <strong>Lidar com a xenofobia é um dos maiores desafios dos imigrantes em SC</strong> </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense