Notre-Dame: uma construção emblemática de Paris

<p>A catedral Notre-Dame, em Paris, devastada nesta segunda-feira por um incêndio, é uma construção emblemática da França e o monumento histórico mais visitado da Europa.</p><p>Entre 12 e 14 milhões de pessoas – em média 35 mil por dia – visitam anualmente esta obra-prima da arquitetura gótica, situada na Île de la Cité, no coração da Paris medieval.</p><p>Sua construção, iniciada em meados do século XII, durou cerca de 200 anos.</p><p>Durante a Revolução Francesa, a catedral sofreu vários atos de vandalismo, que resultaram na destruição da torre central, no roubo de obras de arte e de outros tesouros e na destruição das grandes estátuas do pórtico.</p><p>Os revolucionários organizaram inclusive um “culto da razão” no dia 10 de novembro de 1793, pouco antes da proibição de celebrações católicas em Paris. Em seguida, a catedral acabou transformada em armazém.</p><p>Reaberta aos cultos católicos em 1802, virou personagem central do romance “Notre-Dame de Paris”, de Victor Hugo, publicado em 1831. Pouco depois, Eugène Viollet-le-Duc esteve à frente da restauração do prédio que durou cerca de duas décadas e onde trabalhou até morrer.</p><p>Notre-Dame conseguiu escapar ilesa pelas duas guerras mundiais, sendo que seus sinos soaram para anunciar a libertação da capital francesa do domínio nazista em 25 de agosto de 1944.</p><p>Em 2013, os nove sinos gigantes da catedral foram substituídos. Já a torre central, que estava sendo reformada, caiu consumida pelas chamas nesta segunda.</p><p>- Duas mil missas por ano -</p><p>Em seu interior foi celebrada a vitória na Segunda Guerra Mundial, o início do processo de beatificação de Joana d’Arc, o casamento de Henrique de Navarra, futuro Henrique IV, com Margarida de Valois, e a coroação de Napoleão I.</p><p>Mais recentemente, foi palco das cerimônias fúnebres de chefes de Estado, como Raymond Poincaré e o general Charles De Gaulle, além de grandes personalidades, como o poeta Paul Claudel e o abade Pierre.</p><p>A catedral, que também é um santuário mariano com status de basílica, mantém suas funções como edifício religioso, com a realização de cinco missas diárias de segunda a sábado, e sete aos domingos. Contando as festas e eventos excepcionais, são celebradas mais de duas mil missas por ano.</p><p>Notre-Dame é também o ponto de referência quilométrica de todas as rodovias nacionais que partem de Paris.</p><p>Nos últimos anos, o prédio viveu de perto as tragédias que aconteceram no país. Seus sinos tocaram no dia seguinte ao assassinato dos jornalistas e caricaturistas do jornal Charlie Hebdo em janeiro de 2015.</p><p>As principais autoridades civis e religiosas estiveram no local em 2016 para prestar homenagem ao padre Jacques Hamel, degolado por dois extremistas em uma igreja próxima a Rouen, no norte.</p><p>Em setembro de 2016, foi encontrado perto da catedral um carro carregado com cilindros de gás, deixado no local por um grupo de três mulheres militantes do grupo extremista Estado Islâmico.</p><p>Em junho de 2017, um extremista agindo “em nome da Síria” atacou um policial na praça em frente à catedral.</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense