Operação Capitu visa combater suposta fraude em doações feitas a políticos

<p>A Receita Federal informou nesta sexta-feira, 9, que a Operação Capitu, deflagrada pela manhã em conjunto com a Polícia Federal, tem por objetivo combater uma suposta fraude envolvendo doações irregulares por parte de empresa de processamento de proteína animal para diversos políticos e partidos.</p><p>De acordo com a Receita, duas grandes redes varejistas do Estado de Minas Gerais, por meio de seus controladores e diretores, participaram diretamente do esquema. “Suspeita-se que esta rede, devido ao grande movimento de dinheiro em espécie, utilizou-se deste fluxo para dar ar de licitude a valores doados a partidos e políticos, no período de agosto de 2014 a fevereiro de 2015″, diz a nota divulgada pela Receita.</p><p>Entre os alvos dessa operação estão o empresários Joesley Batista e o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade, presos pela manhã.</p><p>A Receita esclareceu que, pelo esquema, o dinheiro era repassado pelas redes varejistas aos partidos e políticos por meio da simulação de recebimento de duplicatas pela grande empresa de processamento de proteína animal e pela transferência financeira a seis escritórios de advocacia por serviços, supostamente não realizados, acobertados por contratos simulados e notas fiscais dos escritórios.</p><p>As investigações chegaram ainda a um esquema de pagamento de vantagens indevidas a altos dirigentes do Ministério da Agricultura por parte da grande empresa do ramo alimentício, com a produção de legislação e atos normativos que beneficiavam a empresa.</p><p>Além do efetivo de 310 policiais federais que participam da operação nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Paraíba e no Distrito Federal, a Receita informou que mais de 100 auditores fiscais e analistas tributários estão também envolvidos na operação.</p><p>Os representantes das instituições que participam da operação darão entrevista coletiva às 10h, na sede da Delegacia da Polícia Federal, em Belo Horizonte.</p><p><strong>Defesas</strong></p><p>O advogado de Joesley Batista, André Callegari, disse que causa estranheza a decretação de prisão temporária de um colaborador da justiça decretada justamente pelo TRF-1 onde a liberdade do empresário acaba de ser confirmada num recurso do Ministério Público.</p><p>”Joesley segue colaborando com a justiça em inúmeros inquéritos policiais onde os delegados têm reconhecido isso nos termos de depoimento. A defesa tem certeza que a liberdade será restabelecida e irá tomar todas as medidas para apurar o que houve nesse pedido de prisão que não era necessário”, disse o advogado.</p><p>O espaço está aberto para a manifestação de outras pessoas envolvidas na investigação.</p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense