Polícia combate quadrilha que atua no Camelódromo do Rio

O Ministério Público do Rio e a Polícia Civil deflagraram, nesta quarta-feira (4), uma operação para cumprir mandados de busca e apreensão contra oito pessoas acusadas de integrar um grupo criminoso com atuação no Centro Comercial da Uruguaiana, conhecido como Camelódromo, localizado no centro da capital fluminense.

 

As investigações apontaram que a atual e a antiga administração do mercado popular praticavam extorsões e aquisições de boxes de forma irregular. Tanto o ex-presidente do Centro Comercial da Uruguaiana, João Lopes do Nascimento, como o atual, Antenor Pereira de Jesus Filho, foram alvo da operação, batizada de Camelus.

 

Os mandados foram cumpridos em várias regiões do estado, inclusive da Baixada Fluminense. Nos endereços, foram apreendidas quatro pistolas, além de documentos relacionados a contabilidade e recibos de pagamentos, que estão sob análise. A Polícia Civil informou, ainda, que já foram colhidos depoimentos de investigados, mas que, até o momento, ninguém foi preso.

 

A denúncia oferecida à Justiça pelo Ministério Público, detalha que, no período de abril de 2015 a maio de 2018, com a participação de agentes públicos, os denunciados praticavam, crimes de extorsão de comerciantes, venda e cessão irregular de espaço público, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

 

De acordo com os investigadores, funcionários da administração cobravam taxas semanais dos comerciantes alegando que o dinheiro seria destinado para segurança, limpeza e suposto rateio da conta de luz. Aqueles que não pagassem o valor solicitado eram ameaçados e corriam o risco de perder o ponto de venda no local.

 

Após a denúncia, a Justiça determinou o afastamento de integrantes da organização criminosa de suas funções na Associação. Também um servidor, vinculado à Secretaria Municipal de Ordem Pública não poderá exercer atividade até o julgamento do mérito.

Fonte: Rádio EBC