Professores do Amazonas rejeitam proposta do governo estadual e mantêm greve

Em assembleia nesta terça-feira (14), os professores da rede estadual do Amazonas decidiram rejeitar a contraproposta apresentada pelo governo do estado na semana passada. Com isso, a greve da categoria, iniciada em 15 de abril, vai continuar.

 

O governador Wilson Lima informou na segunda-feira (13) que vai encaminhar para a Aleam, Assembleia Legislativa do Amazonas, Projeto de Lei com a reposição salarial da data-base dos profissionais da educação, que será de 4,73%, o máximo possível diante do limite imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

Lima também assegurou que vai começar a pagar progressões de carreira horizontais e verticais, dobrar o valor do auxílio localidade, reajustar o auxílio alimentação e ampliar o vale-transporte dos professores que cumprem 40 horas.

 

Para a presidente do Sinteam, Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Amazonas, Ana Cristina Rodrigues, o anúncio do governador representou um rompimento das negociações. 

 

O comando de greve esteve nesta terça-feira (14) na Assembleia Legislativa do Amazonas e informou que recebeu apoio dos deputados para tentar reabrir as negociações. 

 

De acordo com o Sinteam, a categoria pretende apresentar ao governo amazonense uma nova proposta, que inclui, entre outros pontos, reposição imediata de 4,73% e reposição escalonada de 10,6% referentes às perdas do período de março de 2018 a janeiro de 2019.

 

Segundo a assessoria da Aleam, o projeto de lei mencionado pelo governador Wilson Lima ainda não foi entregue ao poder legislativo.

Fonte: Rádio EBC